sábado, 13 de abril de 2013

O papel do trabalho na transformação do macaco em homem (Engels)

Compartilhando aqui no Blog um breve e sucinto resumo da obra de Engels.

Por Ana Wanessa Bastos 
 
No texto "O papel do trabalho na transformação do macaco em homem" Engels mostra como o trabalho desenvolveu as habilidades para criar o homem atual a partir do macaco. Aborda questões pertinentes sobre a evolução e a condição humanas sob a perspectiva do trabalho. Apresenta os processos de desenvolvimento biológico e cultural do ser humano e mostra que estes são inter-relacionados, haja vista que interagiram pelo menos durante bilhões de anos no processo de transformação do homem moderno.


Engels expõe o trabalho como sendo o fundamento da vida humana. Por meio deste, o ser humano adquire novos conhecimentos, cria instrumentos de trabalho e se organiza socialmente. O filósofo chega a afirmar que sob determinado aspecto, o trabalho criou o homem e, é exatamente esta visão que orienta o seu texto. A concepção de trabalho que encontramos em Engels se ajusta a filosofia marxista materialista dialética, quando Marx afirma que o trabalho é tudo que transforma a natureza. Em suma, sem o trabalho não haveria desenvolvimento humano. 
 

Pois bem, no referido texto, Engels a priori citou os macacos de uma raça antropomorfos, no período terciário, e atentou para o fato de como estes utilizavam as mãos com fins de locomoção, desempenhando funções diferentes das dos pés. Daí constatou que com o passar do tempo os referidos macacos foram adotando uma postura mais ereta, este foi o passo decisivo para a transição do macaco em homem. 
 

Engels aferiu que a mão não é apenas um órgão de trabalho, é também produto dele. Entretanto ao apresentar o desenvolver da mão pelo trabalho, mais a diante o filósofo também mostrou como o desenvolver da linguagem a partir do nascimento do órgão vocal, a necessidade do desenvolver gradual do ouvido, assim como o desenvolver geral do cérebro está ligado ao aperfeiçoamento de todos os órgãos dos sentidos. 
 

[…] O trabalho, primeiro, depois a palavra articulada, constituíram-se nos dois primeiros fatores que atuaram na transformação gradual do cérebro do macaco em cérebro humano que, não obstante sua semelhança, é consideravelmente superior a ele quanto ao tamanho e à perfeição. […]

(ENGELS, 1986, p.26)


A partir do desenvolver do cérebro deduziu-se que houve uma crescente clareza e um aumento da capacidade de abstração e de discernimento, e foi justamente desta forma que surgiu o homem já completamente separado do macaco inicial e deste surgiu a sociedade. Sociedade – novo elemento que teve origem com o homem já plenamente caracterizado como tal. Engels afirmou que o trabalho é a característica distinta entre uma manada de macacos e a sociedade humana. 
 

Contudo, Engels explicitou que só podemos falar em trabalho somente a partir do momento em que surgem instrumentos elaborados, fabricados. Os primeiros instrumentos dos homens pré-históricos, foram utilizados como armas de deferas, e os outros de caça e pesca. A caça e a pesca contribuíram para a alimentação. Esta última consistiu em outro ponto que ajudou o homem no processo de evolução. Pois foi a diversificação de alimentos, propiciando uma alimentação cada vez mais variada a qual oferecia ao organismo novas substâncias, com o que foram criadas as condições químicas. Quanto a alimentação:



[…] o hábito de combinar a alimentação vegetal com a carne. Da condições de fortalecer fisicamente o homem em formação e dá-lhe independência. [...] a alimentação do homem a base de carne ajudou o homem a ser homem. Com o perdão da palavra aos vegetarianos. O consumo de carne na alimentação é responsável por dois novos avanços importantes e decisivos: o uso do fogo e a domesticação dos animais.[...]

(ENGELS, 1986, p.28)

 
O uso do fogo e a domesticação dos animais favoreceu a obtenção de leite e seus derivados – novos meios de emancipação. Em resumo, Engels (1986, p.29) disse que foi “graças à cooperação da mão, dos órgãos da linguagem e do cérebro, não só em cada indivíduo mas na sociedade como num todo, os homens foram se desenvolvendo cada vez mais, tornando-se capazes de executar operações complexas e alcançar objetivos mais elevados.”



Após um avanço na história, percebemos que com os grandes progressos das ciências naturais, o homem tornou-se capaz de prever e controlar cada vez mais as remotas consequências naturais de suas atividades de produção. Contudo, o ser humano levou milhares de anos para aprender a prever as consequências naturais relativas aos processos produtivos e a calcular as consequências naturais destes mesmos atos. 
 

O texto mostra que todos os modos de produção existentes visavam ao utilitarismo do trabalho. Grandes foram descobertas a partir do desejo nato, necessário e contínuo do homem em aperfeiçoar seus instrumentos de trabalho para a melhoria de vida e desenvolvimento da sociedade. Os homens do século XVII e XVIII inventaram a máquina a vapor, um dos instrumentos mais poderosos que veio q subverter as condições sociais em todo o mundo, principalmente na Europa. Tendo em vista que nesta a riqueza era concentrada nas mãos de uma minoria e o direito a propriedade era negado à maioria, favorecendo à burguesia o domínio social e político provocando tempos depois a luta de classe entre a burguesia e o proletariado.


ENGELS, Friedrich. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. 3.ed. São Paulo: Global editora, 1986. 57p. (col. universidade popular)



Fonte da Imagem: Esquerda Marxista
Vejam o exemplo: não basta ser gato.... tem que ter conteúdo!
Acessem nossa livraria: www.livrariamarxista.com.br

Um comentário: