terça-feira, 23 de junho de 2020

Há 181 anos nascia Machado de Assis: um gênio que transcende à literatura brasileira com suas obras atemporais

Há 181 anos nascia um gênio da literatura do Brasil, Machado de Assis (21 de Junho de 1839 - 29 de setembro de 1908). Precursor do realismo no país, sua extensa obra constitui-se de romances, contos, peças teatrais, coletâneas de poemas e sonetos, e de crônicas. Machado de Assis transcende à literatura brasileira. Suas obras despertam interesse a outras culturas, dando-se as traduções em várias línguas.  


Machado de Assis está entre os 100 autores mais criativos da história da literatura e é considerado o maior escritor negro de todos os tempos pelo crítico literário estadunidense Harold Bloom, por obras como Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), um dos livros mais vivos e atemporais já escritos pelo autor que recentemente ganhou nova tradução nos EUA — e teve a primeira tiragem da nova edição esgotada em apenas um dia nas lojas online.

Em Fortaleza - Ceará podemos encontrar uma raridade da obra de Machado de Assis na Biblioteca Acervos Especiais da Universidade de Fortaleza, o exemplar de “Memórias Posthumas de Braz Cubas” com ilustrações literárias de Portinari as quais agregam valor estético à narrativa de Machado. Obra que lançou a primeira edição da Coleção “Cem Bibliófilos do Brasil”, em 1944. 


A Biblioteca Acervos Especiais da Unifor possui duas edições históricas de Machado de Assis. A primeira  Deuses de Casaca, de 1866, uma peça de teatro que traz um toque ainda maior de raridade pela dedicatória autografada e assinada pelo próprio autor, coisa que raramente fazia. O segundo título é uma coletânea de três edições do livro “Poesias Completas”, sendo duas de 1902 e outra de 1924. A curiosidade dessas peças é a existência de um dos erros tipográficos mais famosos da literatura brasileira. O lote possui três exemplares: o primeiro, com o erro sem correção; o segundo, com a correção feita pelo próprio Machado; e o terceiro, já com a correção tipográfica. 

Deixo a postagem com o excelente vídeo:
A Filosofia nos Contos de Machado de Assis 

Parte I 
Parte II

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Quando artes visuais e literatura se unem: espaços da Unifor exploram união de linguagens

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela UFC, Pedro Boaventura é especialista em Iluminação e Design de Interiores pela Universidade Castelo Branco e mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (Foto: Ares Soares)

Espaço Cultural e Biblioteca de Acervos Especiais da Universidade de Fortaleza permitem um olhar aproximado sobre a convergência artística. Leia a matéria em 👉 AQUI

sábado, 23 de maio de 2020

Ações de bibliotecas frente a pandemia


BRASIL

Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias criou um documento de recomendações para elaboração de planejamento de reabertura das bibliotecas universitárias. O documento está disponível no link: bit.ly/RecomendacoesCBBU



EUA

Libraries globalmente estão desenvolvendo planos de reabertura com segurança, com o forte apoio de suas associações, agências e redes. Preparando-se para levantar restrições:#IFLA examina associações, agências e redes de bibliotecas

ESPANHA


A Biblioteca Nacional reabrirá com medidas que incluem uma quarentena de duas semanas para volumes devolvidos. https://elpais.com/cultura/2020-05-20/el-tiempo-salvara-al-quijote-de-la-pandemia.html?fbclid=IwAR0xzaSJsReuAJh7jKEexGUsqOnkUPE10sE55YVexf-M5JjeMoK3Uzo0lgQ


sexta-feira, 22 de maio de 2020

Livros raros que falam sobre Pandemias na história da humanidade

"Não é de agora que a humanidade atravessa o desafio de uma pandemia. Em nossa história já passamos pela Peste Negra, Cólera, Gripe, Varíola e inúmeras outras doenças que se alastraram pelo mundo, mas que graças à pesquisa e à Ciência ora foram extintas, ora foram controladas. Pensando nisso a Biblioteca de Manguinhos separou algumas obras raras que falam um pouco sobre essa temática.

📖👇 FONTE: Biblioteca de Manguinhos via facebook



📚 Link do Site de Obras Raras da Fiocruz : https://lnkd.in/enD54aR

domingo, 17 de maio de 2020

Clássicos da literatura ilustrados por artistas plásticos


Corria o ano de 1943, e a Europa estava em guerra quando o empresário Raymundo Ottoni de Castro Maya, amante de livros e de arte, decide criar uma sociedade de  Bibliófilos na cidade do Rio de Janeiro chamada de Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil. O objetivo era realizar edições de livros com uma alta qualidade gráfica. Decidiu chamá-la de Cem Bibliófilos por este ser o numero de membros pertencentes à confraria. Cada edição tinha uma tiragem limitada de 120 exemplares.

Faziam parte da comissão executiva da sociedade D. Pedro de Orleans e Bragança, Raimundo Ottoni de Castro Maya, Afrânio Peixoto, Cypriano Amoroso Costa e Max Fisher. A sociedade contava entre os seus sócios com Carlos Lacerda, José E. Mindlin, Ernesto Wolf, Walter Moreira Salles, Gilberto Chateaubriand,Francisco Matarazzo Sobrinho, Yolanda Penteado Matarazzo, Roberto Marinho entre outros. 

A ideia da criação da Sociedade dos Cem Bibliófilos foi inspirada pelas sociedades bibliófilas existentes na França e na Inglaterra. Estas sociedades queriam valorizar o livro como objeto precioso e, por isso, consideravam necessário imprimir edições com tiragem limitada e, desta forma, manter um controle sobre a qualidade da edição. Poderíamos considerar os livros publicados pela Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil como livros de arte.

O que viria a diferenciar as edições da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil em relação a outras edições de livro é o fato de possuírem textos de alta qualidade literária, de autores nacionais como Jorge Amado, Euclydes da Cunha, Manuel Bandeira, Affonso Arinos, Mario de Andrade, Machado de Assis, Castro Alves, Olavo Bilac, Lima Barreto. Também é fundamental considerar que esses livros eram ilustrados pelos principais artistas da época. Entre alguns podemos citar Candido Portinari, Santa Rosa, Lívio Abramo, Djanira, Poty, Eduardo Sued, Cícero Dias, Mario Cravo, Aldemir Martins, Di Cavalcanti, Carybe, Iberê Camargo, Darel, Marcello Grassmann e Maciej Babinski. 

A Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil é, sem dúvida, uma referência na bibliofilia nacional.  

Confira a EXPOSIÇÃO VIRTUAL  da Câmara dos Deputados






Os cearenses podem conferir a coleção "Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil" na Biblioteca Acervos Especiais da Universidade de Fortaleza.


Biblioteca do Congresso Americano lança aplicativo "By the People" e promove campanha para transcrição voluntária de obras raras

 
Sobre as pessoas

A Biblioteca do Congresso lança aplicativo By the People (crowd.loc.gov) em outono de 2018. O aplicativo convida você a transcrever, revisar e marcar imagens digitalizadas de manuscritos e materiais digitados nas coleções da Biblioteca. Todos são bem-vindos a participar! Você nem precisa criar uma conta, mas, se o fizer, terá acesso a recursos adicionais, como marcação e revisão das transcrições de outras pessoas. Todas as transcrições são feitas e revisadas por voluntários antes de serem devolvidas ao loc.gov, o site da Biblioteca. Essas transcrições melhorarão a pesquisa, a legibilidade e o acesso a documentos manuscritos e digitados para aqueles que não são totalmente avistados ou que não conseguem ler a escrita manuscrita dos documentos originais. Confira as Perguntas frequentes em nossa Central de Ajuda para obter informações mais detalhadas.
O nome the People foi anunciado em 19 de novembro de 2018 na primeira transcrição e no 155º aniversário do discurso de Abraham Lincoln em GettysburgA frase vem da linha final do discurso, que afirma: “É melhor que estejamos aqui dedicados à grande tarefa que nos resta ... que esta nação, sob Deus, tenha um novo nascimento da liberdade e que o governo da o povo, pelo povo, pelo povo, não perecerá da terra." O nome foi escolhido para refletir o espírito de democracia neste empreendimento, que pede ao povo americano que se junte a nós para tornar a Biblioteca do Congresso acessível para todos.
By the People roda em Concordia, novo software de código aberto desenvolvido pela Biblioteca do Congresso para impulsionar projetos de transcrição de crowdsourcing. O código é visível e gratuito para reutilização: visite nosso repositório Github para obter mais informações. A plataforma foi construída utilizando princípios de design centrado no usuário, baseados na construção de confiança e acessibilidade. Este projeto é uma parceria entre a Biblioteca e uma crescente comunidade de voluntários que nos ajudam a melhorar iterativamente a plataforma. Todos são convidados a participar da transcrição e marcação e a dar feedback sobre como podemos melhorar a base de código e o próprio projeto. Mantenha contato!
Este programa é generosamente apoiado pelo National Trust Library Digital LibraryEsta aplicação é o resultado da colaboração entre várias divisões e equipes da Biblioteca do Congresso.

Seja um voluntário virtual!
Qualquer um pode contribuir. 
Melhore o acesso ao histórico transcrevendo, revisando e etiquetando documentos da Biblioteca do Congresso.


Transcreva e explore a história do sufrágio feminino através da vida daqueles que lutaram pelo direito de votar há 100 anos.


Conheça os Blackwells
Por gerações, essa família lutou pelo sufrágio e abolição universal. 
Vamos tornar suas contribuições mais acessíveis.


Ajude as páginas completas!
Aprove ou edite as transcrições de outros voluntários para ajudá-los a cruzar a linha de chegada! As páginas concluídas permitem pesquisa e acesso em loc.gov.


Campanhas: escolha quais coleções explorar e transcrever




domingo, 10 de maio de 2020

O aprendizado da equipe da biblioteca aumenta na função Web em meio a pandemia COVID-19



Como as bibliotecas fecharam seus espaços físicos e adaptaram serviços ao trabalho remoto, vimos a equipe de bibliotecas passar mais tempo do que nunca em desenvolvimento profissional e aprendizado on-line. Em uma pesquisa realizada durante a recente prefeitura virtual da OCLC , 81% dos participantes relataram que se envolveram em mais desenvolvimento profissional desde o início da pandemia do COVID-19.
Como um recurso gratuito aberto a todos, o WebJunction tem sido "o local de aprendizado das bibliotecas". Mas o aumento que vimos no tempo gasto aprendendo no webjunction.org entre março e abril de 2020 foi, simplesmente, extraordinário. Leia a matéria completa AQUI   
Fonte: OCLC